Do particular para o universal

O Projeto Autores vai propor a releitura do dia a dia dos abrigos. Os relatos das crianças serão trabalhados por artistas e transformados em produtos culturais (o primeiro deles será um livro infantil) com o objetivo de apresentar ao grande público esta realidade particular

Um elo entre cidadania e cultura

Cidadania implica promover a compreensão e a consciência sobre o mundo para então tornar-se num agente participativo e criativo. Como o cenário contemporâneo cultural está cada vez mais voltado para a produção de conteúdo e de discursos, seria um desperdício não envolvermos algumas crianças abrigadas como elo entre essas duas dimensões.

Cenário

Crianças que passam por experiências de abandono estão mais propensas a apresentar distúrbios psicológicos na fase adulta.

O risco e a vulnerabilidade quanto a estes distúrbios aumentam caso a criança abrigada não tenha recebido os devidos cuidados, assistência e apoio.

A situação de incerteza das que passam as crianças abrigadas quanto ao futuro gera níveis de stress altíssimos.

O desenraizamento com os laços afetivos, culturais e sociais potencializam os efeitos negativos.

Experiências construtivas minimizam os efeitos da situação de abrigamento.

O projeto

O Projeto Autores reúne profissionais e artistas para traduzir em imagens e palavras a vida sob a perspectiva das crianças que vivem em casas e lares de adoção. O objetivo é chamar a atenção para a população abrigada.

Equipe

O escritor Luiz Lucena e a artista plástica  Cíntia Ribas escreverão um livro a partir de sucessivas releituras da realidade vivida por 20 crianças ou adolescentes que vivem em instituições de abrigo (Casa Lar). Todo o processo será intermediado e conduzido pelo psicólogo Charles Moretto.

O escritor

LUIZ LUCENA

É escritor, educador, pesquisador, coordenador editorial, ator e diretor de teatro. Mas seu papel principal é o de pai de dois meninos e de uma menina que foi adotada aos 11 anos de idade.

A artista plástica

CÍNTIA RIBAS

Artista visual desde 2011. Atuou com crianças e adolescentes com foco em meios de expressão do sujeito. Cofundadora do Clube da Colagem. Participou da Bienal de Curitiba (2014/2017) e SP Arte (2016). Artista representada pela Boiler Galeria de Arte.

O psicólogo

CHARLES MORETTO

Pai da Maria Clara, psicólogo há 17 anos. Boa parte de sua atuação é focada na análise e nos atendimentos clínicos de crianças e adolescentes. Coordena projetos de estratégia e intervenção social por meio do Brasil Comunidade, selo que dirige desde 2011.

Investimentos e benefícios

Como incentivar um projeto pela Lei Rouanet

Passo 1

Podem investir em projetos culturais aprovados pelo MinC (Ministério da Cultura) na Lei Rouanet empresas tributadas em lucro real, deduzindo até 4% do IR devido, ou pessoas físicas contribuintes do Imposto de Renda, deduzindo até 6% do IR devido.

 Passo 2

O investidor deve depositar o valor desejado para o patrocínio na conta bancária do projeto (aberta e supervisionada pelo MinC) até o último dia útil do ano corrente. Após o depósito, a entidade ou pessoa que propôs o projeto irá emitir um recibo e enviar ao patrocinador, sendo que este servirá como comprovante para que a renúncia fiscal se efetue.

O sucesso do livro possibilitará que o Projeto Autores avance para outras etapas, produzindo novos conteúdos culturais em diversos formatos.

Informações mais detalhadas podem ser consultadas no PDF de apresentação: